Após dois anos e meio produzindo conteúdo local, regional e internacional, o FalaRN – Agência de Notícias – passará por uma reestruturação completa no segundo semestre de 2017.

O jornal na internet ficou conhecido e popular após revelar desmandos na administração pública, sendo alvo de ao menos onze ações judiciais movidas por políticos e gestores públicos, numa tentativa de censurar a liberdade de imprensa.

Nesse período o FalaRN recebeu apoio de organizações internacionais de proteção dos direitos humanos e de imprensa. É o caso da “Repórteres Sem Fronteira” que denunciou para o mundo inteiro as violações sofrida pelo jornal e os profissionais que atuam na produção de conteúdo.

O portal do jornal na internet terá uma plataforma dedicada à exibição de multimídias e integração com as demais redes sociais. As notícias deixam de ser reproduzidas por agências e os conteúdos serão mais exclusivos.

Há investimentos em novas tecnologias, marketing digital, conquista de novos leitores e consolidação de marcas.

“O jornalismo sofre mudanças constantes para se adaptar aos novos públicos e ganhar adesão de grandes marcas. Precisamos acompanhar essas mudanças e impactar os leitores com novidades. Somos pioneiros em várias ferramentas de produção de conteúdo, e trabalhamos sempre para inovar e garantir qualidade do que oferecemos para o público”, disse Francisco Costa, jornalista encarregado pelo FalaRN.

Para Josi Gonçalves, “teremos um foco maior na cobertura local, regional. Isso significa que estaremos mais presente na vida das pessoas por meio da internet. E queremos que o setor de negócios tenha em nosso trabalho confiança para ampliar o posicionamento de suas empresas”, disse a jornalista.