Nesta terça-feira, 20 de dezembro de 2016, centenas de servidores públicos comissionados, efetivos e provisórios da prefeitura de São Gonçalo do Amarante, RN, acordaram cedo, e saíram talvez sem fazer a primeira refeição do dia, juntaram as migalhas que tinham no bolso para pagar o ônibus, ou transporte alternativo e foram para agência da Caixa Econômica Federal da cidade na Avenida Tomaz Landim.

Mesmo quem conseguiu madrugar, enfrentou fila que dava volta no quarteirão, e teve que testar a paciência para conseguir atendimento bancário. Como se não bastasse essa romaria, ainda teve o sol quente, calor, horas em pé, sem água, se escorando nas paredes para descansar o corpo.

Os pais de família, os funcionários, após um mês de trabalho, só queriam chegar no caixa do banco e sacar o suado salário do mês para pagar as contas de energia, água, e os demais impostos que que foram inflacionados pelo prefeito Jaime Calado e os vereadores a revelia dos moradores.

Era dia de pagamento do décimo terceiro salário, mas quem foi ao banco foi obrigado a apresentar documentos pessoais para somente depois sacar o dinheiro. Parecia uma espécie de chantagem. Quem não tinha os documentos necessários teve que voltar para casa de bolsos vazios e amanhã vai recomeçar a mesma novela.

Os funcionários públicos foram pegos de surpresa. Não entendiam nada, não sabiam o que estava acontecendo, por quais motivos foram ao banco sacar o salário do mês e ainda tinham que enfrentar uma burocracia sem fim para receber o dinheiro.

Ocorre que a equipe do prefeito Jaime Calado, não se planejou e nem preparou os funcionários municipais para o dia de hoje. Faltava muita informação, comunicação, sobrava estresse e muitos xingamentos. Dentro da agência da Caixa, não tinha servidores suficientes para atender tanta gente.

O QUE ACONTECEU?  A prefeitura vendeu a conta única de salário dos servidores. Custou a bagatela de R$ 2, 7 milhões. Ou seja quem recebia salário do município no Banco do Brasil, foi obrigatoriamente transferido para a CEF.

Em troca a prefeitura leva crédito para saldar suas dívidas. A negociação é legitima. O que não deveria ocorrer eram os abusos com os servidores públicos.

Jaime Calado é um dos piores prefeitos que São Gonçalo já teve. No seu curriculum de mal feitos durante oito anos, estão obras inacabadas, falhas monstruosas em políticas públicas, e mal uso do dinheiro público e desmandos com funcionários comissionados que são jogados a esmo na folha de pagamento, apenas para atender interesses pessoais e políticos. Só quem o elogia, são seus aliados. Há quem goste de gestor inerte e midiático.

Jaime causou um grande desconforto e estresse para os trabalhadores municipais no dia de hoje. Na internet sobraram reclamações de famílias.

Pois, bem, esse foi o presente de fim de ano do prefeito para seus queridos moradores e funcionários que passam o ano labutando, se dedicando ao município. E assim, Calado vai terminando seu desastroso mandato.

O texto é de Francisco Costa, jornalista, editor responsável pelo FalaRN – Agência de Notícias do Rio Grande do Norte.


Se você gostou dessa reportagem, comente, compartilhe. Converse com o FalaRn, mande um e-mail para: jornalismo@falarn.com ou deixe um WhatsApp: (84) 98157-3331. Acesse nosso Facebook e Twitter.  Clique aqui e saiba como colaborar com o FalaRN


Textos, fotos, artes, áudios e vídeos do FalaRN – Agência de Notícias estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do FalaRN (jornalismo@falarn.com)

As regras têm como objetivo proteger o investimento que a FalaRN faz na qualidade de seu jornalismo. Se precisa copiar trecho de texto da FalaRN para uso privado, entre em contato com a redação. Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil.