O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte, na sessão desta quinta-feira (4), negou o provimento ao recurso interposto da coligação “São Gonçalo é do Povo”, encabeçada pelo ex-vice-prefeito Poti Neto, que pedia a condenação do prefeito de São Gonçalo do Amarante, Paulo Emídio, com alegação de práticas de poder econômico e político.

Os dois grupos políticos disputaram eleições no ano passado na cidade. O grupo que fazia parte da suposta oposição era composto pelo PMDB, já os governistas são do PR. Ambos já estiveram unidos em eleições anteriores e mandatos na prefeitura.

Pela segunda vez, e com unanimidade, o TRE/RN reconheceu que não tem procedências as acusações contrárias a Paulo Emidio e o isentou de qualquer responsabilidade.

“O abuso do poder político/econômico caracteriza-se quando o agente público, valendo-se de sua condição funcional e em manifesto desvio de finalidade, compromete a igualdade da disputa e a legitimidade do pleito em benefício de sua candidatura ou de terceiros, o que não se verificou no caso”, afirmou a decisão da juíza Berenice Capuxu.

O prefeito reagiu a decisão judicial. “Como político e representante do povo, eu prezo a democracia e, principalmente, o respeito”, disse o prefeito, que ainda fez um convite aos opositores: “Mas aproveito para convidar todos esses que dizem querer o bem de São Gonçalo, para somarmos esforços e conseguirmos, juntos, mais benfeitorias e desenvolvimento para nossa cidade”, disse.